AVALIAÇÃO DOS AGENTES DESPIGMENTANTES MAIS COMERCIALIZADOS EM UMA FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO DA CIDADE DE CURVELO/MG

  • Janaína Corrêa Oliveira Faculdade Ciências da Vida
  • Camila Filizzola de Andrade Sena

Resumo

O tratamento das hiperpigmentações cutâneas representa um desafio para a dermatologia, devido às recidivas e reações adversas causadas pelas opções terapêuticas disponíveis. As hipercromias são alterações frequentes na população e, embora seja uma afecção do ponto de vista estético, pode causar grande impacto na vida social e na autoestima dos indivíduos. Este trabalho foi realizado com o objetivo de fornecer subsídios para adoção de uma abordagem terapêutica mais eficaz no tratamento das hipercromias. Para isso, foram realizadas uma revisão da literatura e uma pesquisa de campo em uma farmácia de manipulação da cidade de Curvelo-MG. A questão norteadora foi quais os agentes despigmentantes mais comercializados em uma farmácia de manipulação de Curvelo-MG? Os dados da pesquisa foram obtidos através da avaliação da composição das formulações tópicas e orais utilizadas para o tratamento das hiperpigmentações cutâneas, presentes na ordem de manipulação, aviadas pela farmácia de manipulação estudada. Os resultados demonstraram que os ativos mais empregados nas formulações tópicas foram a hidroquinona presente em 59%, seguida pelo ácido glicólico com 15% e a vitamina C tópica com 13%. Observou-se também que 77% das formulações tópicas apresentavam associação de dois ou mais agentes despigmentantes. O Pinus pinaster (56%) foi o agente despigmentante de uso oral mais comercializado na farmácia de manipulação, seguido pelo hidroxitirosol com 25% e do Polypodium leucotomos com 19%. Sendo assim, mesmo com uma ampla gama de substâncias disponíveis, é de suma importância a realização de novos estudos que busquem alternativas mais seguras e eficazes para o tratamento das hipercromias.

Referências

AKABANE, Andressa Lumi; ALMEIDA, Isabella Parente; SIMÃO, João Carlos L. Avaliação dos índices de qualidade de vida (MELASQoL e DLQI) e do MAIS em pacientes com melasma tratados com Polypodium leucotomes. Revista Surgical & Cosmetic Dermatology, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 214-217, Abr. 2017. Disponível em: < http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=265553579003>. Acesso em: 20 Fev. 2018.

AYRES, Eloisa Leis et al. Estudo ex vivo para avaliação da atividade clareadora do Pypnogenol® após exposição à radiação ultravioleta, infravermelho e luz visível. Revista Surgical & Cosmetic Dermatology, Rio de Janeiro, v. 7, n. 4, p. 303-307, Dez. 2015. Disponível em: < http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=265544156007>. Acesso em: 20 Fev. 2018.

______. Estudo monocêntrico, prospectivo para avaliar a eficácia e a tolerabilidade de formulação cosmecêutica em pacientes com melasma. Revista Surgical & Cosmetic Dermatology, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 232-240, Ago. 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 Set. 2017.

BATISTUZZO, J. A.O.; ETO, Y.; ITAYA, M. Formulário Médico Farmacêutico 5. ed. São Paulo: Pharmabooks, 2015, p. 516-526.

BERLITZ, Simone Jacobus. Desenvolvimento tecnológico de nanoemulsão contendo ácido azelaico e avaliação da inibição da tirosinase, permeação cutânea e perfil sensorial. 2017. f.93. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) – Programa de pós-graduação em Ciências Farmacêuticas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Farmácia, Porto Alegre.

BRIANEZI, Gabrielli. Avaliação da atividade da unidade epidermo-melânica e do dano dérmico no melasma. 2016. Dissertação (Doutorado em Patologia) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Botucatu, 2016.

CHATTERJEE, Manas; VASUDEVAN, Biju. Avanços recentes em melasma. Pigment Internacional, v. 1, n. 2, p. 70-80, Dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 11 Març. 2018.

DIAS, Elaine S. et al. Microcorrente associada à vitamina C na hiperpigmentação periorbital: Um estudo de caso. Revista Multidisciplinar e Pisicologia, v. 11, n. 35, Mai. 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 Fev. 2018.

GONÇALEZ, Maíra L. et al. Caracterização estrutural e atividade antioxidante in vitro de Dipalmitato Kójico carregado em emulsões múltiplas com A/O destinadas a distúrbios da pele. Revista BioMed Research International. São Paulo, Jan. 2015. Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed /25785 265>. Acesso em: 29 Out. 2017.

GUPTA, M.; MAHAJAN, V. K. Perfil clínico de 300 homens com hipermelanoma facial. Revista Dermatol Case, v. 11, n. 2. p. 20-24. Dez. 2017. Disponível em: < http://www.jdcr.eu/index.php?journal=jdcr&page=search&op=results>. Acesso em: 20 Fev. 2018.

HANDEL, Ana Carolina; MIOT, Luciane Donida B.; MIOT, Hélio A. Melasma: uma revisão clínica e epidemiológica. Anais Brasileiros de Dermatologia. Rio de Janeiro, v. 89, n. 5, Set./Out. 2014. Disponível em: . Acesso em: 9 Out. 2017.

IKINO, Juliana K. et al. Melasma e avaliação da qualidade de vida em mulheres brasileiras. Anais Brasileiros de Dermatologia. Rio de Janeiro, v. 89, n. 2. Jan./Fev. 2014. Disponível em: . Acesso em: 28 Out. 2017.

LAZZARIN, Júlia Z.; BLANCO, Luiz Felipe O. Perfil epidemiológico das alterações dermatológicas no segundo trimestre gestacional. Arquivos Catarinenses de Medicina. Santa Catarina, v.45, n. 2, p. 25-32, Set. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 Fev. 2018.

LEITE, Mateus F. et al. Prospecção tecnológica sobre o uso de retinóides em formulações despigmentantes. Cadernos de prospecção. Salvador, v. 8, n. 4, p. 681-687, Out./Dez. 2015. Disponível em: < https://portalseer.ufba.br/index.php/nit/article/view/11831/pdf_130>. Acesso em: 20 Fev. 2018.

LEMOS; Ana Cláudia Cavalcante E. Estudo Histomorfométrico, ultraestrutural e da expressão de Wnt1, WLF-1 e ASIP na pele com melasma em comparação com a pele sã perilesional e retroauricular. 2017. f. 70. Dissertação (Mestrado em Patologia) – Faculdade de Medicina, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Botucatu.

MARANZATTO, Camila F. P. et al. Análise psicométrico e estrutura dimensional da versão brasileira da escala de qualidade de vida em melasma (MELASQoL-BP). Anais Brasileiros de Dermatologia. Rio de Janeiro, v. 91, n. 4, Jul /Ago. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 Out. 2017.

MARCATO, Danieli Camilo et al. Avaliação da atividade despigmentante in vitro do ácido ferúlico como ativo cosmético. Revista Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, Araraquara, v. 38, n. 1, Ago. 2017. Disponível em: < seer.fcfar.unesp.br/rcfba/index.php /rcfba/article/view/730>. Acesso em: 20 Fev. 2018.

MARTINS, Letícia T. et al. Melasma e sua importância no contexto médico. Saber digital. Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 20-26, 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 Fev. 2018.

MAZON, Vanulza Fátima P. Utilização do laser no tratamento do melasma. Revista Maiêutica, Rondonia, v. 1, n. 01, p. 75-84, 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 Fev. 2018.

MEDEIROS, Janielle Kelly G. et al. Combinação terapêutica no tratamento do melasma. Revista CuidArte Enfermagem. Rio de Janeiro, v. 91, n. 4, Jul/ Ago. 2016. Disponível em: . Acesso em: 28 Out. 2017.

METSAVAHT, Leandra D. Hidroquinona: vilã ou heroína? Revista Surgical & Cosmetic Dermatology, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 232-240, Abr. 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 Fev. 2018.

MIERS, Gabriela. Liberação de ácido kójico a partir de formas farmacêuticas semissólidas. 2015. f. 101. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

MILDNER, Natália M.; SCOTTI, Gisleine B.; BLANCO, Luiz Felipe O. Perfil epidemiológico das alterações dermatológicas observadas em mulheres em período de puerpério atendidas no Hospital São José, em Criciúma, Santa Catarina, Revista AMRIGS, Porto Alegre, v. 1, n. 59, p. 20-23, Jan. 2016. Disponível em: < www.amrigs.org.br/revista /59-01/04_1403_Revista%20AMRIGS.pdf>. Acesso em: 23 Fev. 2018.

NASCIMENTO, Thainá C. et al. Melasma durante o ciclo gravídico puerperal, 2017. f. 5. Dissertação (Pós-Graduação em Estética Dermato Funcional) - Centro Universitário São Lucas, Porto Velho.

NETO, Edilson M. R. et al. Abordagem terapêutica da acne na clínica farmacêutica. Boletim Informativo Geum, Piaui, v. 6, n. 3, p. 59-66, Jul./Set. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 Fev. 2018.

NESTOR, M. et al. Polypodium leucotomos como tratamento adjuvante de transtornos pigmentares, O Jornal de Dermatologia Clínica e Estética, v. 7, n. 3, p. 13-7, Mar. 2014. Disponível em: . Acesso em: 22 Out. 2017.

OLIVEIRA, Glauber A.; PAIVA, Andres Raimundo. Causas e tratamento da hipercromia periorbital, Revista Ciências Medicas Sorocaba, v. 18, n. 3, p. 133-139, 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 Fev. 2018.

PERETTI, Solange C. et al. Resveratrol para cosméticos no clareamento da pele. Revista InterfacEHS, São Paulo, v. 10, n. 1, Jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 Fev. 2018.

PINTO, Marina S. S. Fotoenvelhecimento: Prevenção e tratamento. 2014. f. 69. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) – Universidade do Algarve, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Algarve.

PINTO, Camila A. S. et al. Uso do Pycnogenol no tratamento do melasma. Revista Surgical & Cosmetic Dermatology, Rio de Janeiro, v. 7, n. 3, p. 218-222, 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 Ago. 2017.

REBELLATO, Priscila Regina O. et al. Peeling de ácido tricloroacético no tratamento de melanoses actínicas no dorso das mãos: estudo comparativo e randomizado entre dois veículos. Revista Surgical & Cosmetic Dermatology, Rio de Janeiro, v. 7, n. 4, p. 294-297, Dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 Fev. 2018.

REINEHR, Clarissa P. H.; BOZA, Juliana C. ; HORN, Roberta. Peeling de Ácido Tioglicólido como terapêutica para hipercromia pós-inflamatória. Revista Surgical & Cosmetic Dermatology, Rio de Janeiro, v. 7, n. 4, p. 250-252, 2015. Disponível em: < http://www.surgicalcosmetic. org.br/detalhe-artigo/455/Peeling-de-acido-tioglicolido-como-terapeutica-para-hipercromia-pos-inflamatoria>. Acesso em: 22 Out. 2017.

RUIZ, Bruna Fernanda N. et al. Nutricosméticos: um conceito inovador. Revista Visão Acadêmica. São Paulo, v. 15, n. 2, P, Abr/Jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 Out. 2017.

SANDIN, Juliana et al. Aplicação de peeling de Ácido Lático em pacientes com Melasma – um estudo comparativo. Revista Surgical & Cosmetic Dermatology, São Paulo, v. 6, n. 3, p. 255-260, 2014. Disponível em: . Acesso em: 28 Out. 2017.

SARKAR, Rashmi et al. Gestão médica sobre melasma: Uma revisão com recomendações de consenso pelo Indian Pigmentary Expert Group. Revista indiana de dermatologia, v. 62, n. 6, p. 558-577, 2017. Disponível em: . Acesso em: 02 Abr. 2018.

SCHALKA, Sergio et al. Benefícios do uso de um composto contendo extrato de Polypodium loucotomos na redução da pigmentação e do eritema decorrentes da radiação ultravioleta. Revista Surgical & Cosmetic Dermatology, São Paulo, v. 6, n. 4, 2014. Disponível em: . Acesso em: 22 Out. 2017.

SHAEFER, Luiza V. Estudo proteônico do melasma facial em mulheres. 2018. f. 79. Dissertação (Mestrado em Patologia) - Faculdade de Medicina, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Botucatu.

SHANKAR, K. et al. Tratamento baseado em evidências para melasma: opinião de especialistas e uma revisão. Revista indiana de dermatologia, v. 4, n. 2, p. 165-186, Out. 2014. Disponível em: . Acesso em: 11 Mar. 2018.

SILVA, Catarina G. et al. Ocronose exógena tratada com laser de CO2. Revista Surgical & Cosmetic Dermatology, Rio de Janeiro, v. 8, n. 4, p. 370-372, Nov. 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 Fev. 2018.

SILVA, Rosana Mara; ANDREATA, Maria Fernanda G. Rejuvenescimento facial: a eficácia da radiofrequência associada à vitamina C. Revista Maiêutica, Santa Catarina, v. 1, n. 1, p. 55-73, 2017. Disponível em: . Acesso em: 22 Fev. 2018.

SONTHALIA, S.; SARKAR, Rashmi. Etiopatogênese de melasma. Revista Pigment International. v. 2, n. 1, p. 21 - 27, Març. 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 Març. 2018.

TAGLIOLATTO, Sandra; MAZON, Nancy Vanessa P. Uso da técnica de indição percutânea de colágeno no tratamento da hiperpigmentação pós-inflamatória. Revista Surgical & Cosmetic Dermatology, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 160-164, Mai. 2017. Disponível em: < http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=265551922010>. Acesso em: 20 Fev. 2018.

THOMPSON, Judith E.; DAVIDOW, Lawrence W. A Prática Farmacêutica na Manipulação de Medicamentos. 3 ed. São Paulo: Artmed, 2016, p. 687-692.
Publicado
2019-03-01
Como Citar
OLIVEIRA, Janaína Corrêa; DE ANDRADE SENA, Camila Filizzola. AVALIAÇÃO DOS AGENTES DESPIGMENTANTES MAIS COMERCIALIZADOS EM UMA FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO DA CIDADE DE CURVELO/MG. Revista Brasileira de Ciências da Vida, [S.l.], v. 6, n. 05, p. 76-98, mar. 2019. ISSN 2525-359X. Disponível em: <http://jornal.faculdadecienciasdavida.com.br/index.php/RBCV/article/view/814>. Acesso em: 26 mar. 2019.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##