EMPODERAMENTO DA MULHER NO PARTO HUMANIZADO

COMBATE A VIOLÊNCIA OBSTETRICA

  • Roberta Florentino Viana Faculdade Ciências da Vida
  • Géssica Faria Martins Faculdade Ciências da Vida

Resumo

Contextualização do tema: Empoderamento significa dar poder, ou conceder o poder para si, em se tratando de parto humanizado, esse empoderamento vem através do tomar para si, as mulheres se tornando sujeitos de seu parto, decidindo a como e onde irá ter seu filho e tendo profissionais que as atenda de forma diga e respeitando seus direitos, sem que haja qualquer tipo de agressão de origem física, moral ou psicológica. Objetivo Geral: Evidenciar a qualidade dos partos  a que as mulheres estão sendo submetidas. Objetivos específicos: Identificar o os casos tipos de violência obstétrica; Conhecer o papel do psicólogo perinatal os diversos níveis de atenção; Verificar se o as leis referentes ao parto humanizado foram respeitadas durante o parto das entrevistadas. Materiais e métodos: Este estudo, de abordagem quanti-qualitativa, com dados coletados a partir de uma entrevista semiestruturada, realizada com mulheres com no mínimo um filho,  no período de setembro a novembro de 2016. A entrevista foi colocada em uma plataforma de questionários virtual e como critério de seleção foram incluídas mulheres que tiveram filhos, independente do local, idade e cidade do parto. O link do questionário foi previamente enviado para 80 mulheres e foi respondido por 51 dessas. Resultados: Pode-se notar através da realização da pesquisam, que mesmo tendo evoluído em muitos aspectos, a violência obstétrica ainda se faz presente em nosso meio, mesmo com essa caminhada para a humanização, foi possível detectar com essa pesquisa, que casos de agressão psicológica e moral ainda são frequentes na hora do parto.
DESCRITORES: Humanização da Assistência, Psicologia perinatal,  Violência Obstétrica
Publicado
2018-04-25
Como Citar
VIANA, Roberta Florentino; MARTINS, Géssica Faria. EMPODERAMENTO DA MULHER NO PARTO HUMANIZADO. Revista Brasileira de Ciências da Vida, [S.l.], v. 6, n. Especial, abr. 2018. ISSN 2525-359X. Disponível em: <http://jornal.faculdadecienciasdavida.com.br/index.php/RBCV/article/view/759>. Acesso em: 17 ago. 2018.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##