BOAS PRÁTICAS NA ASSISTÊNCIA AO PARTO

implicações do plano de parto

  • Lízia Dias Gonçalves
  • Janaina Costa e Silva Faculdade Ciências da Vida
  • Milene Silva Rodrigues Faculdade Ciências da Vida

Resumo

Contextualização do tema: O plano de parto é uma ferramenta que possibilita à mulher manifestar seus desejos e expectativas. Através da educação em saúde o plano é elaborado em rodas de conversa e é capaz de produzir reflexões e quebras de paradigmas. Objetivo: Verificar como o plano de parto pode influenciar na realização das boas práticas na assistência ao parto de puérperas que construíram o plano de parto em uma Unidade Básica de Saúde de Sete Lagoas, Minas Gerais. Materiais e Métodos: Pesquisa primária, classificada como estudo de caso, descritivo, com abordagem qualitativa. Foi realizada entrevista semiestruturada com oito mulheres que participaram da oficina de planejamento do parto e construíram o plano na oficina no período de dezembro de 2016 a fevereiro de 2017. A análise de conteúdo foi elaborada segundo Bardin. Resultados: Foi verificado nessa pesquisa que as mulheres que construíram o plano de parto obtiveram, com as boas práticas escolhidas, maior autonomia, conforto, tranquilidade, menos ansiedade e redução de práticas abusivas. Discussão: A realização de práticas benéficas ao parto favorece uma experiência positiva para a mulher e a presença do plano de parto é uma forma de discutir os direitos da parturiente. Conclusão: Com os resultados apresentados, foi possível compreender que o plano de parto favorece a realização das boas práticas e fortalece o empoderamento feminino. Entretanto, existem lacunas a serem superadas como o desconhecimento e respeito por parte dos profissionais relacionados a esse documento.
 
PALAVRAS-CHAVE: Parto humanizado. Autonomia. Educação em saúde. 
Publicado
2018-03-27
Como Citar
GONÇALVES, Lízia Dias; SILVA, Janaina Costa e; RODRIGUES, Milene Silva. BOAS PRÁTICAS NA ASSISTÊNCIA AO PARTO. Revista Brasileira de Ciências da Vida, [S.l.], v. 6, n. Especial, mar. 2018. ISSN 2525-359X. Disponível em: <http://jornal.faculdadecienciasdavida.com.br/index.php/RBCV/article/view/747>. Acesso em: 18 out. 2018.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##