Benefícios e implicações da terapia por pressão negativa em lesões exsudativas

  • Carolina Menezes Fernandes Faculdade Ciências da Vida
  • Larissa Viana Lieberenz Faculdade Ciências da Vida

Resumo

INTRODUÇÃO: A Terapia por Pressão Negativa (TPN) é um curativo utilizado em lesões exsudativas complexas, de difícil cicatrização e que demandam maior tempo de tratamento. É realizada uma sucção contínua do exsudato, oferecendo uma pressão de 100 a 125 mmHg homogênea no leito da lesão, o que favorece a granulação, em que se requer uma técnica limpa. Este tratamento vem sendo cada vez mais utilizado em lesões exsudativas e com resultados satisfatórios. OBJETIVO: Demonstrar os benefícios e as implicações da Terapia por Pressão Negativa. MÉTODO: Revisão integrativa da literatura, de natureza exploratória-descritiva, com busca de artigos nas bases de dados da Scientific Electronic Library Online (Scielo) e Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), com filtros: artigo com texto completo, idioma português, com anos de publicação de 2013 a 2017. RESULTADOS: A pesquisa permitiu encontrar 707 publicações. Após aplicação dos filtros, foram obtidos 44 artigos para leitura completa e, dentre esses, obteve-se uma amostra de 8 artigos científicos. A análise de conteúdo permitiu a elaboração de duas categorias: (1) TPN: principais benefícios; (2) Implicações da TPN. CONCLUSÃO: Infere-se que, de acordo com as publicações estudadas, a TPN é eficaz e apresenta importantes benefícios para o paciente, tais como redução de dor, exsudato, infecções e edema; angiogênese mais satisfatória; rápida cicatrização; presença de um leito propício para cicatrização; e maior conforto para o paciente. Entretanto, como qualquer outro tipo de tratamento, a TPN pode apresentar algumas implicações como hemorragias e infecções, embora em frequência menor que os benefícios.
Publicado
2018-04-06
Como Citar
FERNANDES, Carolina Menezes; LIEBERENZ, Larissa Viana. Benefícios e implicações da terapia por pressão negativa em lesões exsudativas. Revista Brasileira de Ciências da Vida, [S.l.], v. 6, n. 3, abr. 2018. ISSN 2525-359X. Disponível em: <http://jornal.faculdadecienciasdavida.com.br/index.php/RBCV/article/view/730>. Acesso em: 22 jul. 2018.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##