MULHER EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE: ESTUDO DAS IMPLICAÇÕES PSICOSSOCIAIS DE MULHERES/MÃES BENEFICIADAS PELO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

  • Fernanda de Souza Martins Faculdade Ciências da Vida
  • Sara Angélica Teixeira da Cruz Silva

Resumo

O Programa Bolsa Família é uma importante forma de complementação de renda para pessoas em situação de vulnerabilidade social. A procura pelo benefício na maioria das vezes é realizada por mulheres, reafirmando seu lugar de representante da família. Este trabalho teve como objetivo descrever os conflitos psicossociais no âmbito familiar e do trabalho vividos pelas mulheres, mães, beneficiadas pelo Programa Bolsa Família. Para tanto, investigou-se as relações familiares e as principais fontes de rendimentos das mulheres e familiares, utilizando os estudos de gênero e feminilidades na compreensão da identidade feminina. O procedimento técnico metodológico utilizado foi a Pesquisa-Ação, de base qualitativa e cunho descritivo. A coleta de dados foi realizada através de entrevista semiestruturada, observação e Grupo Focal. Para análise dos dados utilizou-se Análise de Conteúdo. Os resultados possibilitaram identificar três problemáticas fundamentais: 01) Comportamento e rendimento escolar das crianças e a dificuldades das mães em lidar com os filhos; 02) Dedicação e cuidado direcionados aos familiares acometidos por doenças; 03) Mulher, trabalho e família: da divisão dos papeis aos conflitos psicossociais. Os discursos das mulheres mostram as dificuldades vivenciadas e modos de superá-las. Além disso, a construção da sua identidade mostra que estão cerceadas pela dominação masculina. Consequentemente percebe-se, uma função limitante para que vivenciem sua autonomia e autenticidade seja na maternidade, no trabalho, no cuidado com a família e filhos. Conclui-se que as mulheres estudadas negligenciam-se em prol da constituição familiar, sentindo dificuldades em agir no ideal de mães, e de buscar novos trabalhos, submetendo-se ao patriarcado.

Referências

ALTMANN, Bruna Aline Ross. O lugar do sofrimento psíquico na sociedade contemporânea: feminilidade e sintomas depressivos. 2015. 43 f. Monografia (Graduação em Psicologia) – UNIJUÍ. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Santa Rosa.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009, 229 p.

BEVILAQUA, Maria Heloisa de Oliveira. A práxis do psicólogo no âmbito comunitário. Um saber fazer crítico-transformador ou assistencialista paternalista. Anais do 5º Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais, 2008Disponível em . Acesso em 10 nov. 2016.

BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em Tese, Santa Catarina, v.2, n.1, 2005, p.68 – 80. Disponível em: . Acesso em 20 set. 2016.

BUSANELLO, Josefine; FILHO, Wilson Danilo Lunardi; KERBER, Nalú Pereira da Costa; SANTOS, Silvana Sidney Costa; LUNARDI, Valéria Lerch; POHLMANN, Flávia Conceição. Grupo Focal como técnica de coleta de dados. Cogitare Enfermagem, Uruguaiana: Rio Grande do Sul, v.18, v.2, 2013, p.358-364. Disponível em . Acesso em 15 out.2016.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. 4. ed .Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005, 160 p.

BRAGA, Simone da Silva; SCOZ, Beatriz Judith Lima; MUNHOZ, Maria Luiza Puglisi. Problemas de aprendizagem e suas relações com a família. Revista Psicopedagogia, São Paulo, v.24, n.74, 2007, p.149-159. Disponível em: . Acesso em: 15 de out.2016.

CAIXETA, Juliana Eugênia; BARBATO, Silviane. Identidade feminina - um conceito complexo. Universidade de Brasília. Paidéia, v. 14, n. 28, 2004, p. 211-220. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2016.

CARDOSO, Ruth. “É de pequenino que se torce o pepino”: consanguinidade e educação em famílias faveladas. Obra reunida. São Paulo: Unesp, 2009, p.133-137. Disponível em . Acesso em: 02 de nov. 2016.

CARSON, Alejandro Cervantes. Entrelaçando Consensos: reflexões sobre a dimensão social da identidade de gênero da mulher. Cadernos Pagu, São Paulo: Campinas, v. 4, n. 11, 1995, p.187-218. Disponível em: < https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwjcvLHW7cjMAhUDiZAKHfSBAU0QFggcMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.bibliotecadigital.unicamp.br%2Fdocument%2F%3Fdown%3D50924&usg=AFQjCNFh-ys55GrVwjBFWGeRQaqrtqalug&bvm=bv.121421273,d.Y2I>. Acesso em: 06 mai. 2016.

DEL PRIORE, M. História das mulheres: as vozes do silêncio. In: FREITAS, M. C. (Org.) Historiografia brasileira em perspectiva. 4.ed. São Paulo: Contexto, 2001. p. 217-235.

FERREIRA, Marlene de Cássia Trivellato; MARTURANO, Edna Maria. Ambiente Familiar e os problemas do comportamento apresentados por crianças com baixo desempenho escolar. Psicologia: Reflexão e Crítica. Ribeirão Preto: São Paulo, v.15. n.1, 2002, p. 35-44. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/prc/v15n1/a05v15n1.pdf>. Acesso em: 15 de out.2016.

FOUCAULT, Michel. Historia da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1988, 153 p.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002, 176 p.

GRADVOHL, Silvia Mayumi Obana; OSIS, Maria José Duarte; MAKUCH, Maria Yolanda. Maternidade e formas de maternagem desde a idade média à atualidade. Pensando fam., Porto Alegre, v.18, n.1, 2014, p. 55-62. Disponível em: . Acesso em: 05 mai. 2016.

IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Bolsa Família 2003-2010 avanços e desafios. Brasília: Ipea, v.1, 2010, 344p.

ITABORAI, Nathalie Reis. O gênero da política social no Brasil: o Programa Bolsa Família e o debate sobre o empoderamento feminino nas classes baixas. Actacientifica, 2015, p. 1-15. Disponível em: . Acesso em 15 mar. 2016.

LELIS, Cristina Teixeira et al. Influência do trabalho feminino na vida de mulheres residentes em comunidades populares urbanas de Viçosa-MG. In: V Seminário Sociedade Inclusiva Diversidade e Sustentabilidade: Do local ao Global. 2008. Disponível em < http://proex.pucminas.br/sociedadeinclusiva/Vseminario/Anais_V_Seminario/trabalho/comu/INFLUENCIA%20DO%20TRABALHO%20FEMININO%20NA%20VIDA%20DE%20MULHERES%20RESIDENTES%20EM%20COMUNIDADES%20POPULARES%20URBANAS%20DE%20VICOSA%20MG.pdf>. Acesso em: 10 set. 2016.

MARIANO, Silvana Aparecida; CARLOTO, Cássia Maria. Gênero e Combate à pobreza: Programa Bolsa Família. Estudos Feministas. Florianópolis, v. 17, n.3, 2009, p.901-908. Disponível em . Acesso em: 12 out. 2016.

MDS, Mistério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Bolsa Família: Transferência de renda e apoio à família no acesso à saúde, à educação e à assistência social. Brasília: Distrito Federal, 2015. Disponível em . Acesso em: 02 nov.2016

MEDEIROS, Katruccy Tenório et al. Representações Sociais do uso e abuso de drogas entre familiares de usuários. Psicologia em Estudo, Maringá: Paraná, v.18, n.2, 2013, p.269-279. Disponível em . Acesso em 02 nov.2016.

MEYER, Dagmar Estemann et al. Vulnerabilidade, gênero e políticas sociais: a feminização da inclusão social. Estudos Feministas. Florianópolis, v. 22, n. 33, 2014, p.885-904. Disponível em:. Acesso em: 15 mai.2016.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010, 80 p.

NUNES, Cristina; LEMOS, Ida; NUNES, Lara Ayala; COSTA, Diana. Acontecimentos de vida stressantes e apoio social em famílias em risco psicossocial. Psicologia, Saúde e Doenças. Lisboa, v. 14, n. 2, 2013, p.313-320. Disponível em:. Acesso em: 15 mai.2016.

PELEGRINI, Mauricio A. Foucault, feminismo e revolução. Anais do XXI Encontro Estadual de História –ANPUH-SP - Campinas, setembro, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2016.

PINTO, Rosa Maria Ferreira et al. Condição feminina de mulheres chefes de família em situação de vulnerabilidade social. Serv.Soc. Soc., São Paulo, n.105, 2011, p.167-179. Disponível em: . Acesso em: 04 mai. 2016.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013, 276 p.

PUGLISI, Maria Laura; FRANCO, Barbosa. Análise de Conteúdo. Brasília: Plano Editora, 2003, 72p.

RIBEIRO, Tamires Almeida; FRANÇA, Fabiane Freire. Simone de Beauvoir e o movimento feminista: contribuições à Educação. GT6 – Questões de Gênero na Educação Científica. Anais do III Simpósio Gênero e políticas Públicas, Londrina: Paraná, 2014. Disponível em . Acesso em 02 nov.2016.

ROCHA-COUTINHO, Maria Lúcia. Tecendo por trás dos panos: a mulher brasileira nas relações familiares. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, 249 p.

SANTANA, Anabela Mauricio de. Mulher mantenedora/homem da família: uma questão de gênero e poder. Revista Fórum Identidades, Itabaiana: Genpiadde, ano 4, vol. 8, jul-dez de 2010. Disponível em . Acesso em: 10 out. 2016.

SANTOS, Luciana Carla dos; MARTURANO, Edna Maria. Crianças com dificuldade de aprendizagem: um estudo de seguimento. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre: Rio Grande do Sul, v.12, n.002, 1999, p.377-394. Disponível em . Acesso em: 15 de out.2016.

SANTOS, Maria Luiza Ramos Vieira; PEDROSO, Vanessa Alexsandra De Melo. Do direito de não ser mãe: reflexões jurídicas sobre o direito da mulher de entregar o filho à adoção. Revista Jurídica. Santos, v. 1, n.38, 2015, p.159-174. Disponível em: . Acesso em: 06 mai. 2016.

SCORSOLINI-COMIN, Fábio; SANTOS, Manoel Antônio dos. Construir, organizar, transformar: considerações teóricas sobre a transmissão psíquica entre gerações. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v.28, n.1, 2016, p.141-159. Disponível em . Acesso em: 02 de nov. 2016.

SEADE, Fundação Sistema Estadual de Análises de Dados. São Paulo em Perspectiva.v.20.n.1.p.5-17.

SHIMODA, Letícia Yumi. Corpo, sexo e gênero: Alguns contributos das teorias antropológicas clássicas às contemporâneas. Laboratório Didático – USP ensina Sociologia. São Paulo, Junho, 2013, p. 1-12. Disponível em: . Acesso em: 25: mai.2016.

SILVA, Tânia Maria Gomes da. “Filho não me mete medo”: representações e vivências da maternidade nas camadas populares. In: VII CONGRESSO INTERNACIONAL DE HISTÓRIA ,2015. Maringá: Paraná. Anais eletrônicos História e relações de gênero: reflexões em pauta. Maringá: Paraná: UEM, 2015. Simpósio Disponível em . Acesso em: 20 de out. 2016.

SOUZA, Heloisa Regina.“Tornar-se mãe”: Maternidades contemporâneas no País Basco Civitas. Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre: Rio Grande do Sul, v. 15, n. 2, 2015, p. 342-349. Disponível em . Acesso em 02 de nov. 2016.

THIOLLENT, Michael. Metodologia da pesquisa-ação. 10. ed.. São Paulo: Cortez, 2000, 136 p.

TRAD, Leny A. Bomfim. Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v.19, n.03, 2009. P.777-796.Disponivel em: < http://www.scielo.br/pdf/physis/v19n3/a13v19n3.pdf>. Acesso em: 15 mai.2016.

VILLELA, Wilza Vieira. Feminilidades: corpos e sexualidades em debate. Resenhas Book Review, Rio de Janeiro: EdUERJ; 2013. Disponível em:. Acesso em: 20 mai.2016.
Publicado
2017-07-11
Como Citar
MARTINS, Fernanda de Souza; SILVA, Sara Angélica Teixeira da Cruz. MULHER EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE: ESTUDO DAS IMPLICAÇÕES PSICOSSOCIAIS DE MULHERES/MÃES BENEFICIADAS PELO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA. Revista Brasileira de Ciências da Vida, [S.l.], v. 5, n. 3, jul. 2017. ISSN 2525-359X. Disponível em: <http://jornal.faculdadecienciasdavida.com.br/index.php/RBCV/article/view/308>. Acesso em: 17 nov. 2017.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##