DEPRESSÃO PÓS-PARTO E SEUS IMPACTOS NA INTERAÇÃO MÃE-BEBÊ

  • Isabel Oliveira FAUCULDADE CIENCIAS DA VIDA
  • Flavia Barbosa Carvalho faculdade ciências da vida

Resumo

A depressão pós-parto ocorre no período entre quatro a seis semanas após o parto, ou mais tardiamente, afetando cerca de 10% a 35% das mulheres no período pós-parto. A depressão pós-parto provoca efeitos negativos no relacionamento da mãe com o bebê, o que pode ocasionar reações futuras mais ou menos severas dependendo da gravidade da patologia. O objetivo geral do estudo foi discutir o impacto da depressão pós-parto na relação mãe-bebê, considerando-se os efeitos negativos na vida de ambos. Os objetivos específicos incluíram: dissertar sobre a história da depressão pós-parto, classificar a depressão pós-parto, descrever os fatores de risco para a depressão pós-parto e propor a psicoterapia como alternativa para o tratamento da depressão pós-parto. Para a consecução do estudo foi realizada uma pesquisa classificada como descritiva e bibliográfica, com abordagem qualitativa. A pesquisa bibliográfica resultou em 17 artigos, publicados no período de 2006 a 2016. Os resultados da pesquisa evidenciaram que a depressão pós-parto pode afetar o desenvolvimento infantil, se manifestando por meio de problemas comportamentais e cognitivos, inclusive com prejuízo da linguagem, em alguns casos. Filhos de mães deprimidas apresentam mais afeto negativo.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
  A depressão pós-parto ocorre no período entre quatro a seis semanas após o parto, ou mais tardiamente, afetando cerca de 10% a 35% das mulheres no período pós-parto. A depressão pós-parto provoca efeitos negativos no relacionamento da mãe com o bebê, o que pode ocasionar reações futuras mais ou menos severas dependendo da gravidade da patologia. O objetivo geral do estudo foi discutir o impacto da depressão pós-parto na relação mãe-bebê, considerando-se os efeitos negativos na vida de ambos. Os objetivos específicos incluíram: dissertar sobre a história da depressão pós-parto, classificar a depressão pós-parto, descrever os fatores de risco para a depressão pós-parto e propor a psicoterapia como alternativa para o tratamento da depressão pós-parto. Para a consecução do estudo foi realizada uma pesquisa classificada como descritiva e bibliográfica, com abordagem qualitativa. A pesquisa bibliográfica resultou em 17 artigos, publicados no período de 2006 a 2016. Os resultados da pesquisa evidenciaram que a depressão pós-parto pode afetar o desenvolvimento infantil, se manifestando por meio de problemas comportamentais e cognitivos, inclusive com prejuízo da linguagem, em alguns casos. Filhos de mães deprimidas apresentam mais afeto negativo. Descritores: Depressão pós-parto. Desenvolvimento infantil. Relações mãe-filho.  

Referências

AGUIAR, D. T. Quando ser mãe dói: história de vida e sofrimento psíquico no puerpério. 2011. 98f. Dissertação (Mestrado em Cuidados Clínicos em Saúde) - Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2011.

ALIANE, P. P.; MAMEDE, M. V.; FURTADO, E. F. Revisão sistemática sobre fatores de risco associados à depressão pós-parto. Psicologia em Pesquisa, v. 5, n. 2, p. 146-155, dez. 2011.

ARAGÃO, S. R. Relação entre estresse e cortisol: medidas preventivas e terapêuticas. [201-]. Disponível em: . Acesso em: 6 mai. 2016.

ARRAIS, A. R. As configurações subjetivas da depressão pós-parto: para além da padronização patologizante. 2005. 158f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Universidade de Brasília, Brasília, 2005.

AZEVEDO, K. R.; ARRAIS, A. R. O mito da mãe exclusiva e seu impacto na depressão pós-parto. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 19, n. 2, p. 269-276, 2006.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Trad. L. A. Reto; A. Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 1977.

BMJ BEST PRACTICE. Depressão pós-parto. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2015.

BORSA, J. C.; FEIL, C. F.; PANIÁGUA, R. M. A relação mãe-bebê em casos de depressão pós-parto. 2007. Disponível em: . Acesso em: 2 mai. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada – manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. (Série A. Normas e Manuais Técnicos; Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos – Caderno n. 5).

BRUM, E. H. M. Psicoterapia pais-bebê no contexto da depressão pós-parto investigando o processo psicoterápico. 2010. 293f. Tese (Doutorado em Psicologia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Psicologia, Porto Alegre, 2010.

CAMACHO, R. S. et. al. Transtornos psiquiátricos na gestação e no puerpério: classificação, diagnóstico e tratamento. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 33, n. 2, p. 92-102, 2006.

CANTILINO, A. et. al. Transtornos psiquiátricos no pós-parto. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 37, n. 6, p. 278-284, 2010.

CARLESSO, J. P. P. Análise da relação entre depressão materna e índices de risco ao desenvolvimento infantil. 2011. 161f. Dissertação (Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Distúrbios da Comunicação Humana) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2011.

CARLESSO, J. P. P.; SOUZA, A. P. R. Dialogia mãe-filho em contextos de depressão materna: revisão de literatura. Revista CEFAC, São Paulo, v. 13, n. 6, p. 1119-1126, dez. 2011.

COSTA, A. R. F. M. O. Representações mentais de mães com depressão pós-parto e o seu impacto nas interações mãe-bebê. 2012. 101f. Dissertação (Mestrado em Educação e Cuidados na Primeira Infância). Instituto Politécnico de Beja, Escola Superior de Educação, Beja/Portugal, 2012. Disponível em: . Acesso em: 3 mai. 2015.

COSTA, L. M. Depressão pós-parto. 2013. 29f. Monografia (Especialização em Saúde Coletiva e da Família) - Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade de Campinas, Piracicaba, 2013.

COUTINHO, M. P. L.; SARAIVA, E. R. A. Depressão pós-parto: considerações teóricas. Estudos e Pesquisas em Psicologia, a. 8, n. 3, p. 759-773, 2º sem 2008.

DEZIDÉRIO, D.; MILANI, R. G. As influências da depressão pós-parto na relação mãe-bebê. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA CESUMAR, 8., 22-25 out. 2013, Maringá/PR. Disponível em: . Acesso em: 6 mai. 2016.

FELIPE, R. P. Análise do efeito da depressão pós-parto na interação mãe-bebê via categorias comportamentais e estilos interativos maternos. 2009. 156p. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

FÉLIX, G. M. A.; GOMES, A. P. R.; FRANÇA, P. S. Depressão no ciclo gravídico-puerperal. Comunicação em Ciências da Saúde, v. 19, n. 1, p. 51-60, 2008.

FERNANDES, F. C.; COTRIN, J. T. D. Depressão pós-parto e suas implicações no desenvolvimento infantil. Revista Panorâmica On-Line, Barra do Garças, v. 14, p. 15–34, jul. 2013. Disponível em . Acesso em: 7 jun. 2015.

FERREIRA, F. M. S. A criança com depressão. 2011. 256f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) - Escola Superior de Educação Almeida Garrett, Departamento de Ciências da Educação, Lisboa, 2011. Disponível em: . Acesso em: 4 mai. 2015.

FONSECA, V. R. J. R. M.; SILVA, G. A.; OTTA, E. Relação entre depressão pós-parto e disponibilidade emocional materna. Cadernos de Saúde Pública, v. 26, n. 4, p. 738-746, abr. 2010.

FRIZZO, G. B.; PICCININI, C. A. Depressão materna e a interação triádica pai-mãe-bebê. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 20, n. 3, p. 351-360, 2007.
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.
GOMES, L. A. et al. Identificação dos fatores de risco para depressão pós-parto: importância do diagnóstico precoce. Revista Rene, São Paulo, v. 11, n. esp., p. 117-123, 2010.

GONÇALVES, J. I. C. Depressão pós-parto da mãe e retraimento social do bebê. 2008. 119f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) - Universidade do Minho, Minho/Portugal, 2008.

GUEDES-SILVA, D.; SOUZA, M. R.; MOREIRA, V. P. Depressão pós-parto: prevenção e consequências. Revista Mal-Estar e Subjetividade, v. 3, n. 2, p. 439-450, set. 2003.

HIGUTI, P. C. L.; CAPOCCI, P. O. Depressão pós-parto. Revista de Enfermagem UNISA, v. 4, p. 46-50, 2003.

IBIAPINA, F. L. P. et al. Depressão pós-parto: tratamento baseado em evidências. Femina, v. 38, n. 3, p. 161-165, mar. 2010.

KIM, H. R. Psicoterapia breve operacionalizada em puérperas com sintomas depressivos no pós-parto. 2014. 112f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

KONRADT, C. E. et al. Depressão pós-parto e percepção de suporte social durante a gestação. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 33, n. 2, p. 76-79, jul. 2011.

LOBATO, G.; MORAES, C. L.; REICHENHEIM, M. E. Magnitude da depressão pós-parto no Brasil: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 11, n. 4, p. 369-379, out./dez. 2011.

LOPES, E. R. et al. Depressão pós-parto e alterações de sono aos 12 meses em bebês nascidos na zona urbana da cidade de Pelotas/RS. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 59, n. 2, p. 88-93, 2010.

MAIA, B. M. M. R. Perfeccionismo e depressão pós-parto. 2011. 295f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Faculdade de Medicina, Universidade de Coimbra, Coimbra, 2011. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2015.

MENEZES, F. L. et. al. Depressão puerperal no âmbito da saúde pública. Saúde, Santa Maria, v. 38, n. 1, p. 21-30, 2012.

MORAES, M. H. C.; CREPALDI, M. A. A clínica da depressão pós-parto. Mudanças - Psicologia da Saúde, v. 19, n. 1-2, p. 61-67, jan.-dez. 2011.

MOTTA, M. G.; LUCION, A. B.; MANFRO, G. G. Efeitos da depressão materna no desenvolvimento neurobiológico e psicológico da criança. Revista de Psiquiatria, v. 27, n. 2, p. 165-176, mai./ago. 2005.

NOMURA, M. L.; PINTO E SILVA, J. L. C. Riscos e benefícios do uso dos inibidores seletivos da recaptação de serotonina para a depressão durante a gravidez e a lactação. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 29, n. 7, p. 333-336, 2007.

RAMOS, S. H. A. S.; FURTADO, E. F. Depressão puerperal e interação mãe-bebê: um estudo piloto. Psicologia em Pesquisa, v. 1, n. 1, p. 20-28, jan.-jun. 2007.

RUSCHI, G. E. C. et al. Aspectos epidemiológicos da depressão pós-parto em amostra brasileira. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 29, n. 3, p. 274-280, 2007.

SAMPAIO NETO, L. F.; ÁLVARES, L. B. O papel do obstetra e do psicólogo na depressão pós-parto. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, v. 15, n. 1, p. 180-83, 2013.

SANTOS, I. R. A. Fatores determinantes da depressão pós-parto avaliados pelo enfermeiro durante o acompanhamento do pré-natal. 2014. 20f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Enfermagem) - Faculdade de Ciências da Educação e Saúde, Centro Universitário de Brasília, Brasília, 2014.

SANTOS JÚNIOR, H. P. O.; SILVEIRA, M. F. A.; GUALDA, D. M. R. Depressão pós-parto: um problema latente. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 30, n. 3, p. 516-524, set. 2009.

SARAIVA, E. R. A.; COUTINHO, M. P. L. O sofrimento psíquico no puerpério: um estudo psicossociológico. Revista Mal-Estar e Subjetividade, v. 8, n. 2, p. 505-527, jun. 2008.

SCHARDOSIM, J. M.; HELDT, E. Escalas de rastreamento para depressão pós-parto: uma revisão sistemática. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 32, n. 1, p. 159-66, mar. 2011.

SCHMIDT, E. B.; PICCOLOTO, N. M.; MÜLLER, M. C. Depressão pós-parto: fatores de risco e repercussões no desenvolvimento infantil. Psico-USF, v. 10, n. 1, p. 61-68, jan./jun. 2005.

SCHWENGBER, D. D. S.; PICCININI, C. A. O impacto da depressão pós-parto para a interação mãe-bebê. Estudos de Psicologia, Natal, v. 8, n. 3, p. 403-411, 2003.

SERVILHA, B.; BUSSAB, V. S. R. Interação mãe-bebê e desenvolvimento da linguagem: a influência da depressão pós-parto. Psico, Porto Alegre, v. 46, n. 1, p. 103-111, jan.-mar. 2015.

SILVA, A. P. C. Depressão materna e comportamento de crianças: estressores, práticas parentais e suporte social. 2014. 170f. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2014.

SILVA, E. T.; BOTTI, N. C. L. Depressão puerperal - uma revisão de literatura. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 7, n. 2, p. 231-238, 2005. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2015.

SILVA, F. C. S. et al. Depressão pós-parto em puérperas: conhecendo interações entre mãe, filho e família. Acta Paulista de Enfermagem, v. 23, n. 3, p. 411-416, 2010.

SILVA, M. R.; PICCININI, C. A. Paternidade no contexto da depressão pós-parto materna: revisando a literatura. Estudos de Psicologia, v. 14, n. 1, p. 5-12, jan./abr. 2009.

SOUSA, D. D.; PRADO, L. C.; PICCININI, C. A. Representações acerca da maternidade no contexto da depressão pós-parto. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 24, n. 2, p. 335-343, 2011.

TAVARES, G. L. et al. Eu e a depressão puerperal: um relato de experiência. Estudos, Goiânia, v. 41, n. 2, p. 291-305, abr./jun. 2014.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

VIEIRA, K. F. L. Depressão e suicídio: uma abordagem psicossociológica no contexto acadêmico. 2008. 159f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2008.

ZINGA, D.; PHILLIPS, S. D.; BORN, L. Depressão pós-parto: sabemos os riscos, mas podemos preveni-la? Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 27, supl. 2, p. S56-S64, out. 2005.
Publicado
2017-07-11
Como Citar
OLIVEIRA, Isabel; CARVALHO, Flavia Barbosa. DEPRESSÃO PÓS-PARTO E SEUS IMPACTOS NA INTERAÇÃO MÃE-BEBÊ. Revista Brasileira de Ciências da Vida, [S.l.], v. 5, n. 3, jul. 2017. ISSN 2525-359X. Disponível em: <http://jornal.faculdadecienciasdavida.com.br/index.php/RBCV/article/view/139>. Acesso em: 17 nov. 2017.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##