Os Resquícios da Reforma Psiquiátrica: O Manicômio Judiciário e o Louco Criminoso

  • João Pedro Nogueira Senna de Paula Arantes Faculdade Ciências da Vida
  • Aline Moreira Gonçalves Faculdade Ciências da Vida

Resumo

No presente artigo objetivou-se investigar os resquícios do processo da reforma psiquiátrica que corroboraram para a manutenção dos manicômios judiciários no Brasil. Para isso foi empreendida a análise do processo da reforma psiquiátrica brasileira, a comparação da evolução histórica do manicômio judiciário e a leitura da obra do filósofo Michel Foucault “História da Loucura na Idade Clássica”. A análise arqueológica do discurso, também de Foucault foi adotada como método de análise, e o presente artigo foi escrito a partir do modelo de um ensaio teórico qualitativo de objetivo exploratório. Os resultados encontrados apontam a correspondência da loucura criminosa com a loucura clássica, também conhecida por loucura perigosa e loucura dócil, em aspectos ideológicos e práticos. Ademais, salienta-se a percepção social da loucura criminosa como a negação de direitos humanos básicos durante o tratamento oferecido na medida de segurança.   Palavras-chave: Reforma Psiquiátrica. Manicômio Judiciário. Saúde Mental. Loucura

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Bacharelando em Psicologia
##submission.authorWithAffiliation##
Profssora da Faculdade Ciências da Vida e Mestre em Psicologia Social pela UFMG

Referências

ARBEX, Daniela. Holocausto Brasileiro. São Paulo: Geração Editorial, 2013.

BARROSO, Sabrina Martins; SILVA, Mônia Aparecida. Reforma Psiquiátrica Brasileira: o caminho da desinstitucionalização pelo olhar da historiografia. Revista SPAGESP, São Paulo, n 1, 2011, Disponível em: . Acessado em 10 jul. 2016.

CARRARA, Sérgio Luis. Crime e Loucura. O aparecimento do manicômio judiciário na passagem do século. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998.

CARRARA, Sérgio Luis. A história esquecida: os manicômios judiciários no Brasil. Revista Brasileira Crescimento Desenvolvimento Humano, São Paulo, n 1, 2010, Disponível em: . Acessado em 16 fev. 2016.

CASTRO, Ulysses Rodrigues de. Reforma Psiquiátrica e o Louco Infrator: Novas Ideias e Velhas Práticas. 2009. f. 127. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais e Saúde – área de Ciências Ambientais) – UCG, Universidade Católica de Goiás, Goiânia.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Relatório Brasil 2015. Brasília, 2015.

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Hospital de Custódia: prisão sem tratamento. São Paulo, 2014.

CORREIA, Ludmila Cerqueira. Avanços e Impasses na Garantia dos Direitos Humanos das Pessoas com Transtornos Mentais Autoras de Delito. 2007. f. 174. Dissertação (Mestrado em Ciências Jurídicas – área de Direitos Humanos) – UFP. Universidade Federal do Paraíba.

DINIZ, Debora. A custódia e o tratamento psiquiátrico no Brasil Censo 2011. Brasília: Editora UNB, 2013.

EMERICH, Bruno Ferrari; YASUI, Silvio. O hospital psiquiátrico em diálogos atemporais. Revista Interface, Botucatu, n 56, fevereiro, 2016, Disponível em:
. Acessado em 12 fev. 2016.

EMERIM, Marcele de Freitas; SOUZA, Mériti de. “Ninguém esquece uma coisa dessas”: Problematizações sobre parricídio e hospitais de custódia. Revista Psicologia & Sociedade, Florianópolis, n 1, 2016, Disponível em:
. Acessado em: 18 fev. 2016.

FONTELLES, Mauro José; SIMÕES, Marilda Garcia; FARIAS, Samantha Hasegawa; FONTELLES, Renata Garcia Simões. Metodologia da Pesquisa Científica: Diretrizes para a Elaboração de um Protocolo de Pesquisa. Revista Paraense de Medicina, Pará, n1, 2009, Disponível em:< http://files.bvs.br/upload/S/0101-5907/2009/v23n3/a1967.pdf >. Acessado em: 20 fev. 2016.

FOUCAULT, Michel. História da Loucura na Idade Clássica. São Paulo: Editora Perspectiva. 1978.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense-Universitária. 2008.

GONÇALVES, Aline Moreira. Dos Porões ao Hospício: a participação das Santas Casas de Misericórdia na assistência aos alienados em Minas Gerais, no século XIX. 2014. f. 170. Dissertação (Mestrado em Psicologia – área de Psicologia Social) – UFMG. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

GONÇALVES, Alda Martins; SENA, Roseni Rosângela de. A reforma psiquiátrica no Brasil: Contextualização e reflexos sobre o cuidado com o doente mental na família. Revista Latino-Americana de Enfermagem, São Paulo, n 9, março, 2001, Disponível em:
. Acesso em: 10 jan. 2016.

HIRDES, Alice. A reforma psiquiátrica no Brasil: uma (re) visão. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, n 1, jan./fev., 2009, Disponível em:
. Acessado em: 10 jan. 2016.

LÜCHMANN, Lígia Helena Hanh; RODRIGUES, Jefferson. O movimento antimanicomial no Brasil. Revista Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, n 2, mar./abr., 2007, Disponível em:
. Acessado em: 20 fev. 2016.

MARTINS, Álissan Karine Lima; SOARES, Flaviana Dávila de Sousa; OLIVEIRA, Francisca Bezerra de; SOUZA, Ângela Maria Alves e. Do ambiente manicomial aos serviços substituitivos: A evolução nas práticas em saúde mental. Revista SANARE, Sobral, n 1, jan./jun., 2011, Disponível em:
. Acessado em: 22 fev. 2016.

ODA, Ana Maria Galdini Raimundo; DALGALARRONDO, Paulo. História das primeiras instituições para alienados no Brasil. Revista História, Ciências, Saúde, Manguinhos, n 3, set./dez., 2005, Disponível em:
. Acessado em: 15 jan. 2016.

PACHECO, Júlia de Albuqerque. O hospital de custódia e tratamento psiquiátrico: Revisão dos estudos brasileiros. 2011, f. 51. Monografia (Bacharelado em Serviço Social) – UNB, Universidade de Brasília, Distrito Federal.

PAULIN, Luiz Fernando; TURATO, Egberto Ribeiro. Antecedentes da reforma psiquiátrica no Brasil: as contradições dos anos 1970. Revista História, Ciências, Saúde, n 2, maio/ago., 2004, Disponível em:
. Acessado em 20 fev. 2016.

SANTANA, Ana Flávia Ferreira de Almeida; ALVES, Marília. Realidade de um manicômio judiciário na visão de profissionais: do tratamento à segregação. Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, n 2, abr./jun., 2015, Disponível em:
. Acessado em 20 jan. 2016.

VALENÇA, Alexandre Martins; MENDLOWICZ, Mauro Vitor; NASCIMENTO, Isabella; MORAES, Talvane Marins de; NARDI, Antonio Egidio. Retardo mental: periculosidade e responsabilidade penal. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, n 2, jul., 2011, Disponível em:
. Acessado em 22 jan. 2016.

VASCONELOS, Eduardo. Mundos paralelos, até quando? Os psicólogos e o campo da saúde mental pública no Brasil nas últimas duas décadas. Revista Mnemosine, Rio de Janeiro, n1, 2004, Disponível em: . Acessado em 29 out. 2016.
Publicado
2017-07-11
Como Citar
ARANTES, João Pedro Nogueira Senna de Paula; GONÇALVES, Aline Moreira. Os Resquícios da Reforma Psiquiátrica: O Manicômio Judiciário e o Louco Criminoso. Revista Brasileira de Ciências da Vida, [S.l.], v. 5, n. 3, jul. 2017. ISSN 2525-359X. Disponível em: <http://jornal.faculdadecienciasdavida.com.br/index.php/RBCV/article/view/116>. Acesso em: 17 nov. 2017.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##